O time foi o mesmo, aquele que nós torcedores do Corinthians nos acostumamos a ver no Campeonato Paulista, porém a competição agora é o Brasileirão. A equipe de Fábio Carille mostrou um futebol similar ao apresentado nas partidas do campeonato paulista: com uma zaga muito bem organizada, um meio campo leve e com variações e com Jô no ataque abrindo espaços e brigando com os zagueiros adversários.

Apesar de todo empenho tático dos jogadores, faltou ao timão nesse jogo contra a Chapecoense a criatividade, o algo inesperado, fatos esses que também se mostraram raros durante grande parte das exibições de 2017, principalmente naquelas em que o Corinthians enfrentou equipes “menores” e precisou com isso, propor o jogo e ter maior posse de bola.

Mesmo saindo a frente no placar ( 22 minutos do primeiro tempo) e dando mostras de que o jogo estava tranquilo, o timão não criou chances para aumentar o placar e acabou levando o empate ( 1o minutos do segundo tempo) no oportunismo do atacante Wellington Paulista. Após o gol a Chape se fechou, e esperou o timão atacar, atacar que está longe de ser uma das principais virtudes dos comandados de Carille.

Percebendo esse cenário o treinador alvinegro apelou para as opções do limitado banco de reservas, e colocou Léo Jabá ( no lugar de Romero)  e Kazim ( no lugar do volante Gabriel), mas de nada adiantou.  O restante do segundo tempo se resumiu a ligações diretas e o famoso chuveirinho para a grande área buscando os atacantes, ou seja, como relatado anteriormente faltou criatividade, o drible, o algo diferente.

Em virtude desses fatos, fica cada vez mais claro, por exemplo, que o “atacante” Romero funciona mais como um volante pelo lado do campo do que como um ponta de fato, seu poder de marcação supera e muito sua habilidade em partir pra cima dos adversários e servir o atacante Jô. Nesse sentido, é mais do que satisfatório saber que o timão está a detalhes de fechar com o meia atacante Clayson (ex- jogador da Ponte Preta), que por sinal marcou dois gols nessa primeira rodada do campeonato. O atleta se bem recebido pelo elenco e pela torcida pode se mostrar uma boa possibilidade para a vaga do Romero, principalmente para jogos dentro de casa, onde o Corinthians deve se impor diante dos adversários.

A boa notícia do dia é a de que a lesão do zagueiro Pablo substituído com dores na coxa, ainda no primeiro tempo, não é grave. Segundo os noticiários o defensor corinthiano deve perder apenas o próximo jogo contra o Vitória (fora de casa).  O substituto de Pablo deve ser Pedro Henrique que por sinal  possui bem menos experiência e técnica se comparado com Pablo, mas deve dar conta do recado (pelo menos é o que esperamos).

Essa foi uma breve analise da estréia do timão no Brasileirão 2017, esperamos que o setor ofensivo encontre ferramentas para “machucar” os adversários e criar jogadas regadas a criatividade e ousadia…

Até a próxima e vai Corinthians!!!!

 

 

 

 

Comente aqui...

comentário