Deu branco, mas nem tanto

Saudações são-paulinas!

Neste feriado – que ouvi dizer que se chama Porcos Tristes graças a mais uma derrota palestrina, agora na Baixada Santista -, o nosso São Paulo Futebol Clube se encontra em uma fase reflexiva.

É verdade que foi 0 a 0 contra o Sport na Ilha do Retiro? Sim.

É verdade que o nosso ataque não funcionou e, para completar, novo sufoco na zaga? Sim.

É verdade que foi um jogo digno de passar em branco? Com certeza.

É verdade que podemos achar, em tal partida, mais um motivo para crise? Óbvio que não!

Em um dia que nosso goleiro Renan Ribeiro reforça o seu nome no panteão da meta tricolor, finalmente pontuamos fora de casa. Foi um pontinho só. Simples e solitário. Mas, de grão em grão, que é feita a felicidade deste gato.

Acordamos neste domingo, finalmente, na zona de classificação para nossa querida competição intercontinental. Estamos voltando para onde jamais deveríamos ter saído.

Então, meus amigos tricolores, ontem deu branco, mas nem tanto. Agora é voltar para casa e buscar manter o nosso 100% no templo sagrado do Morumbi.

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Nos anos 1910, o Paulistano cedeu a arquibancada do Velódromo para o Campo da Floresta. Era o começo do São Paulo, criado em 1930. No Velódromo, morava um gato, que foi na troca e que vive, até hoje, junto do Tricolor. Há quem diga que isso é invenção do Rafael Duarte Oliveira Venancio, mas nunca foi provado.
Rafael Duarte Oliveira Venancio

Últimos posts por Rafael Duarte Oliveira Venancio (exibir todos)

Comente aqui...

comentário

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Nos anos 1910, o Paulistano cedeu a arquibancada do Velódromo para o Campo da Floresta. Era o começo do São Paulo, criado em 1930. No Velódromo, morava um gato, que foi na troca e que vive, até hoje, junto do Tricolor. Há quem diga que isso é invenção do Rafael Duarte Oliveira Venancio, mas nunca foi provado.