Pratto do dia para o freguês

Pratto argentino, tricolor de qualidade

Olé! Olé! Olé!

Opa, desculpa! Estava gritando olé junto com a imensa torcida tricolor agora no fim do jogo que nem senti que já estava escrevendo a crônica do jogo de hoje.

Que lindo! Que espetáculo! Desde 1930, o São Paulo nunca decepciona este gato que vos escreve. Hoje é um exemplo para a história.

Falaram no Twitter que o Cuca desejou sorte para o Rogério Ceni, mítico treinador. Teoricamente, ele teria dito: “Calma que um dia dá certo”. Pois é. O dia é hoje.

Fazia tempo que não tínhamos um meio-campo dominante, jogando em cima de cada tentativa deste Palestra Itália displicente. Com o nosso toque de bola, fomos longe e não se viu outra coisa que não fosse o Tricolor Paulista em campo.

E o ataque? Pelas três cores, como joga esse Pratto. Honrando as tradições de argentinos craques no São Paulo desde Sastre. Um gol dele e outro feito pelo Luiz Araújo com assistência dele, ambos no segundo tempo com direito a mais falhas de Prass, herdeiro de borboletagem de Marcos.

Entre os nossos dois gols teve um penal mequetrefe para os alviverdes. Renan Ribeiro só olhou a bobagem do palestrino mandando a bola para as alturas.

É isso. São Paulo 2 x 0 Palmeiras. Gostou do Pratto do dia, freguês? Volte sempre, pois são 15 anos de bom atendimento no Morumbi!

Saudações eufóricas são-paulinas!

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Nos anos 1910, o Paulistano cedeu a arquibancada do Velódromo para o Campo da Floresta. Era o começo do São Paulo, criado em 1930. No Velódromo, morava um gato, que foi na troca e que vive, até hoje, junto do Tricolor. Há quem diga que isso é invenção do Rafael Duarte Oliveira Venancio, mas nunca foi provado.
Rafael Duarte Oliveira Venancio

Últimos posts por Rafael Duarte Oliveira Venancio (exibir todos)

Comente aqui...

comentário

Rafael Duarte Oliveira Venancio

Nos anos 1910, o Paulistano cedeu a arquibancada do Velódromo para o Campo da Floresta. Era o começo do São Paulo, criado em 1930. No Velódromo, morava um gato, que foi na troca e que vive, até hoje, junto do Tricolor. Há quem diga que isso é invenção do Rafael Duarte Oliveira Venancio, mas nunca foi provado.