Castigo merecido na Ilha

Breno “Foguinho” errando o posicionamento de novo; e o nosso goleirão fica como?! (Foto: Carlos Gregório Jr/site oficial do Vasco)

O ex-treinador e hoje comentarista Murici Ramalho, em momento de desabafo pós-jogo, disparou uma frase que resume bem o que aconteceu na Ilha do Retiro, em Recife, na noite desta segunda-feira, dia 25, na partida que fechou a 25a rodada do Brasileirão 2017: “A bola pune!”

É com esta certeza que o vascaíno olha para a tabela de classificação e vê que seu time perdeu uma chance enorme de conquistar mais dois pontos em um jogo em que esteve por mais de 70 minutos com um atleta a mais em campo e diante de um adversário totalmente vulnerável, pressionado pela torcida e nitidamente com os nervos à flor da pele. Se contra o Corinthians não deixamos o gramado de Itaquera com um empate que seria muitíssimo bem-vindo – e justo, pelo que foi a partida – graças à atuação decisiva dos jogadores extras que o líder do campeonato tradicionalmente costuma ter, desta vez o prejuízo deve ser colocado na conta dos nossos jogadores mesmo e na de um treinador que “teve medo de ser feliz”.

Com o placar favorável e tendo vantagem também na quantidade de atletas, o óbvio a fazer no segundo tempo seria apostar nos contragolpes e dar uma nova chance ao garoto Paulo Vitor, ao invés de insistir no tal do Andrés “Gusttavo Lima” Ríos, o atacante que consegue passar 90 minutos sem dar sequer uma finalização. Mas os moleques que saíram do banco foram Guilherme Costa e Andrey, justamente os protagonistas das duas oportunidades claríssimas de gol desperdiçadas em sequência aos 32 minutos do segundo tempo.

Isso aconteceu poucos minutos após mais uma lambança da péssima arbitragem brasileira: Sandro Meira Ricci iria errar feio ao marcar um pênalti no lance em que a bola explodiu no corpo de Anderson Martins, mas voltou atrás na decisão após ter sido avisado pelo bandeirinha Marcelo Van Gasse – que estava a milhas de distância, mas tem olhos de lince. Óbvio que houve interferência externa e isso ainda não é permitido pela regra. Não é porque o meu time foi beneficiado desta vez, que vou ser hipócrita de dizer que está tudo certo.

Não está. Assim como não está tranquila a situação nem mesmo do atual 8o colocado deste campeonato. Apenas seis pontos separam ele, o Atlético-PR, do São Paulo, o 17º e que abre o grupo dos quatro líderes na disputa que ninguém quer ganhar: a das vagas para a Série B de 2018.

O gol do nosso refugo André Balada, aos 39 do segundo tempo, em mais uma falha de marcação de Breno Foguinho, deixou o Gigante da Colina com 32 pontinhos e na nona posição. A boa notícia é que finalmente vamos partir para o último duelo como mandante precisando cumprir a punição estipulada pelo Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Na tarde do próximo sábado, dia 30, os portões de São Januário novamente estarão fechados para o público, porém que a Chapecoense não espere um ambiente tranquilo e silencioso. Certamente as ruas do entorno no nosso templo sagrado estarão repletas de torcedores. Esta gente sofrida que tanto ama este clube e que tantas alegrias já teve com ele. Gente que merece voltar a ser feliz e que sabe que isso só vai acontecer quando a ditadura mirandista finalmente chegar ao fim. Oxalá seja daqui a dois meses!

 

#SOLADADOBACALHAU: esta quarta-feira é “dia de Maria”! Boooooooooooraaaaaaaaa, zêêêêêêêêrooooooooo!!!

Comente aqui...

comentário

Maria Marques

Apaixonada pelo Cruzeiro desde criança, quando assistia aos jogos sentada ao chão junto ao meu pai que me ensinou a vibrar, xingar, reclamar, desistir, retornar, defender e atacar. Pra mim "Existe um grande clube na cidade​/que mora dentro do meu coração​/eu vivo cheio de vaidade​/pois na realidade é um grande campeão​"!