De Jomar a pior

Revelado pelas categorias de base do clube, o zagueiro foi o pior em campo e deu várias mostras que ainda não pode ser titular. (Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras)

Após o atropelamento sofrido nesta tarde de Dia das Mães, nada agradável a tarefa de escrever a minha primeira resenha sobre jogos do Vasco em mais este retorno à elite do futebol brasileiro. Óbvio que o Palmeiras era favoritaço para esta partida e, por mais que o nosso time tenha passado por uma intertemporada de três semanas, voltar para o Rio de Janeiro com um pontinho já seria um baita negócio. Mas perder assim não estava no script. A zoeira que toma conta da internet, falando até em “contagem regressiva para o quarto rebaixamento”, é sim justificável e merecida, diante do nosso limitadíssimo elenco.

Falar que 4 a 0 foi um placar mentiroso para o duelo na arena palmeirense faria sentido se fosse considerado apenas o primeiro tempo. Nos 45 minutos iniciais, de fato, o Vasco esteve em campo e equilibrou o confronto, desperdiçando ótimas chances, principalmente pelos pés do promissor volante Douglas. Faltou sorte, faltou pontaria para ele. Sobrou estupidez para o tal de Jomar, o escolhido para substituir o ex-jogador em atividade Rodrigo no nosso miolo de zaga.

É inconcebível que um atleta profissional cometa dois pênaltis totalmente desnecessários como o camisa 3 cometeu no Dudu. Não é preciso ser nenhum especialista da posição para saber que dar bote seco em um atacante rápido como aquele é fria. De duas uma: ou ele vai passar fácil por você ou vai levar a trombada e cair. Nenhuma chance de tirar a bola e anular o ataque. E o infeliz do Jomar é tão fraco, que quase fez um golaço contra ao errar um chute na hora de tentar interceptar um cruzamento.

O terceiro gol alviverde, com menos de 1 minuto na segunda etapa, sepultou qualquer possibilidade de reação na partida. A partir dali, só deu Palmeiras. E temos mais é que agradecer a São Martin Silva pela goleada ter sido “só” de 4 a 0.

Que este resultado sirva para abrir os olhos da corja que infelizmente dirige o nosso time de que, por mais bela e vitoriosa que seja a nossa história, a realidade atual é de que a nossa camisa não impõe mais tanto respeito quanto num passado não muito distante. E que o drama de um novo rebaixamento pode sim se tornar realidade, caso não sejam contratados atletas que realmente tenham condições físicas e técnicas de honrar o nosso manto. Quando será que vão aprender que medalhão em fim de carreira só serve pra inflacionar a folha de pagamento e rachar o elenco?!

A pedido do editor do Resenha Brasileirão 2017, finalizo este texto com os meus palpites para a classificação final deste certame. Para o G4, minhas fichas são as seguintes: 1º) Atlético-MG (dono de um dos melhores elencos, tem um bom técnico, time entrosado, e, como está há tanto tempo na fila, é o com mais obsessão por este título); 2º) Palmeiras; 3º) Cruzeiro; 4º) Grêmio; 5º) Flamengo (preferia que fosse para o quinto dos infernos, mas sou realista e sou obrigado a admitir que está com um time bom e competitivo, que deve sim brigar na parte de cima da tabela); 6º) Santos. Na zona maldita, arrisco que estarão: 17º) Fluminense (porque um dia eles vão ter que pagar a Segundona que estão devendo desde 2000); 18º) Ponte Preta; 19º) Avaí; 20º) Atlético-GO.

#SOLADADOBACALHAU: tenho certeza que muitos companheiros cruzmaltinos hoje pensaram com muito carinho na mãe do Jomar

 

Comente aqui...

comentário

Maria Marques

Apaixonada pelo Cruzeiro desde criança, quando assistia aos jogos sentada ao chão junto ao meu pai que me ensinou a vibrar, xingar, reclamar, desistir, retornar, defender e atacar. Pra mim "Existe um grande clube na cidade​/que mora dentro do meu coração​/eu vivo cheio de vaidade​/pois na realidade é um grande campeão​"!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.