Mas que raio de nome é este que o bacalhau escolheu pra coluna dele?

Nos momentos de conquista, nosso amado ditador se acha o único no direito de puxar o tradicional grito de guerra. (Foto: reprodução/ site Casaca)

Agradecendo ao amigo e colega de trabalho Cristiano Alvarenga pelo convite para integrar a equipe de colunistas deste site, faço questão de registrar na minha primeira postagem o motivo de ter escolhido “Mural do Fuzarqueiro” como o nome para o espaço em que falarei sobre o Club de Regatas Vasco da Gama – que tantas alegrias já me deu, mas ultimamente só as tem proporcionado em momentos esporádicos; particularmente quando o adversário em questão é “um certo sem-teto rubro-negro”.

O termo “Mural” é porque a ideia é ser um espaço para análises informais, exposição das minhas opiniões e o melhor: muitas provocações. O canal estará sempre aberto também para comentários com gozações de torcedores rivais, pois entendo que a graça do futebol está justamente nesta gangorra de momentos e inversões de papéis – numa hora podemos sacanear e na outra, temos que aturar as zoeiras alheias. E que tudo se resuma às saudáveis brincadeiras entre amantes do esporte bretão! E que a paz, o respeito e a amizade sempre prevaleçam!

Quanto ao “Fuzarqueiro”, é uma alusão ao “Casaca”, o famoso grito de guerra sempre presente nas comemorações dos nossos títulos. A “Turma da Fuzarca” eram os nossos remadores multicampeões na década de 1920. Existem duas versões mais propagadas para a origem deste grito e elas foram apresentadas em uma postagem no blog Sempre Vasco.

O que não tem polêmica é a tradição institucionalizada assumida pelos versos “Ao Vasco nada?/ Tudo!/ Então como é que é que é que é?/ Casaca! Casaca!/ Casaca, zaca, zaca!/ A turma é boa!/ É mesmo da fuzarca!/ VASCO! VASCO! VASCO!”. Aquele senhor pusilânime que se acha dono do clube – e que, com certeza, ainda será muito questionado neste espaço – já falou ao programa “Redação SporTV” sobre como a relevância desta tradição é ensinada desde as categorias de base:

 

Fecho este post inaugural com uma seção que sempre estará nos rodapés dos meus textos e que pretende ser polêmica…

#SOLADADOBACALHAU: Três anos depois daquele gol impedidaaaaaaaaaço do Marcio Araújo tirar das nossas mãos o troféu do Carioquinha de 2014 (aquele da famosa frase “Roubado é mais gostoso”), eis que na mesma baliza o assoprador de apito deixa de marcar uma falta clara do Rever no Henrique e depois comemora o gol do Guerrero.; quando será que aquele timeco vai ganhar algum título sem ressalvas, gente?!

 

Comente aqui...

comentário

Maria Marques

Apaixonada pelo Cruzeiro desde criança, quando assistia aos jogos sentada ao chão junto ao meu pai que me ensinou a vibrar, xingar, reclamar, desistir, retornar, defender e atacar. Pra mim "Existe um grande clube na cidade​/que mora dentro do meu coração​/eu vivo cheio de vaidade​/pois na realidade é um grande campeão​"!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.