A desforra da ‘Vênus Platinada’ finalmente aconteceu

Eurico e Romário festejam a conquista da Copa João Havelange, na tarde em que a Globo foi “obrigada” a fazer merchan do SBT. (Foto: Allsport UK/ALLSPORT)

“A vingança nunca é plena, mata a alma e envenena”. A célebre frase consagrada pelo inesquecível personagem Seu Madruga, do seriado mexicano “Chaves”, é linda, mas não faz a cabeça dos comandantes da equipe de esporte da maior emissora de televisão brasileira.

Há pouco menos de 17 anos, em janeiro de 2001, o Club de Regatas Vasco da Gama exibiu em seu uniforme a logomarca do SBT – o maior rival da TV Globo – durante a final da Copa João Havelange. Aquele episódio marcou o auge da guerra fria entre Eurico Miranda e a emissora da família Marinho. Demorou, mas a vingança da “Vênus Platinada” aconteceu na edição do programa “Globo Esporte” exibida nesta sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Se antes havia fortes indícios sobre irregularidades nos cadastros dos sócios votantes na Urna 7 durante as eleições presidenciais realizadas na última terça-feira, dia 7, a reportagem mostrada na Globo menos de 24 horas após a bizarra entrevista coletiva concedida por Eurico no início da noite de ontem, quinta, trouxe várias provas das fraudes. Basta a Justiça honrar o seu nome e a “Urna da Discórdia” será anulada, o que dará a Julio Brant a vitória na votação.

Na boa? Quem em sã consciência vai acreditar que o boom de registros de novos sócios iria aconteceu justamente nos últimos dois meses de 2015, com o Vasco agonizando no Brasileirão e sendo rebaixado pela terceira vez em um período de menos de 10 anos? Nada mais natural do que muitos torcedores ficarem eufóricos com aquela campanha e fazerem questão de garantir a carteirinha para poderem votar em 2017 e ajudar o presidente a conquistar mais um mandato, né?!

Obrigado, Globo! O trabalho sério e competente de sua equipe pode ter sido fundamental para que finalmente a ditadura mirandista chegue ao fim. Perdão por todas as vezes que te chamei de “golpista” e “manipuladora” e que reclamei do nível da sua programação! Extirpar um câncer nunca é uma missão fácil, ainda mais se tratando de um tumor maligno como é o deste caso. Logo, nada mais justo do que ser eterna a minha dívida de gratidão pela graça desta cura.

Este sentimento de esperança em novos tempos no Gigante da Colina é o mesmo que habita o coração de milhões de vascaínos espalhados pelo Brasil e inúmeros outros países. Não que eu veja Brant como um missionário enviado por São Januário para salvar o clube e recolocá-lo rapidamente navegando na rota dos grandes títulos. Ele precisou fazer muitas alianças para conseguir a força política que o fez destronar o “tiozão do charutão”. E vai precisar de tempo para reestruturar o clube, fazer parcerias fortes e conquistar a confiança da nossa massa que foi tão maltratada e desrespeitada durante tantos anos.

Sou um destes torcedores que gostariam muito de poder se associar ao Vascão e ajudá-lo efetivamente a voltar a ser grande, forte e respeitado. Só que isso vai acontecer apenas quando o clube estiver sendo dirigido por um grupo que mereça credibilidade. Espero ansiosamente por este momento e torço demais para que ele seja agora, já a partir de janeiro de 2018.

Caso Eurico Miranda seja tão vascaíno como se diz, a melhor forma de provar isso seria admitindo que ele e seus aliados só fazem mal à instituição. Que ele deixe a Justiça ser feita e vá curtir seus charutos cubanos lá na Sibéria, para onde prometeu ir se o time fosse rebaixado em 2015! Palavra, pelo visto, nunca foi o forte deste senhor.

 

#SOLADA DO BACALHAU: e que se dane aquela vitória linda sobre o Santos na Vila Belmiro, com aqueles dois golaços maravilhosos daqueles craques que eu nunca critiquei! Adoro a Libertadores, mas repito que não estou com pressa de voltar a disputa-la. O campeonato que importa é o que rola agora no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Bem que o Brant podia contratar o advogado do Fluminense…

Comente aqui...

comentário